quarta-feira, 18 de novembro de 2015

[ENADE - Quants] Questões de 2006

Como prometido em sala de aula e na minha última postagem no blog (nesse post estão os slides com as questões), seguem os comentários sobre algumas questões do ENADE. Essa semana está bem corrida, por isso demorei a postar. 

P.s.: pode ser que eu venha responder a alguma dúvida sobre as questões. Mas acredito que a explicação dada aqui já seja suficiente. Contudo, eu tenho parado de colocar comentários sobre questões porque as pessoas ficam me enviando dever de casa para responder. Eu não faço isso, então tente entender e não envie dever de casa, pois ele não será respondido.

QUESTÃO DO SLIDE 5

DICA GERAL
: questões de análise de gráfico (quase sempre) apenas requerem a atenção de quem está fazendo a prova.

A questão 6 do ENADE/2006 pode ser revolvida sem nenhum conhecimento prévio de biologia, medicina ou algo do tipo. O candidato precisa apenas analisar um gráfico, conforme a figura abaixo.

A assertiva I diz que o álcool é absorvido pelo organismo de forma lenta e é eliminado mais rápido. Podemos perceber pelo gráfico que absorção é muito rápida, com o ponto máximo sendo atingido em pouco tempo (até 1 hora – caso das 4 latas). Já a eliminação é lenta. Dessa forma, o correto seria o contrário da primeira assertiva, pois a absorção é rápida, mas a eliminação é lenta.

Sobre a assertiva II, basta olhar para os gráficos em que o topo nunca passa de 0,6 g/litro, pois esse era o máximo permitido em nossa legislação. Se você ingeriu 4 latas, você chegaria a mais de 0,8 g/litro e se ingeriu 3 latas, você chegaria a 0,7 g/litro – seria fora da lei. Se você ingeriu 2 latas, você chegaria a, no máximo, algo em torno de 0,45 g/litro, logo estaria dentro do limite estabelecido na lei daquela época.

Na assertiva III bastava que o candidato olhasse no gráfico azul com quadradinhos (que representa as 4 latas) onde o gráfico terminava. No gráfico da linha azul, o final ocorre quando ele “toca” o eixo das Tempo (horas) no ponto 7, ou seja: o ponto 7 do Tempo (horas) forma par com o ponto ZERO do eixo Álcool no Sangue (g/litro), o que indica que em 7 horas não há mais álcool no sangue do indivíduo.

QUESTÃO DO SLIDE 6

DICA GERAL: a análise da tabela é muitas vezes semelhante à do gráfico. Então basta ter cuidado. Essa questão, especialmente, foi bem complicada porque analisa uma espécie de "porcentagem de uma porcentagem" - as pessoas às vezes demoram a entender o que tem que ser feito (pessoas quer dizer eu, não entendi na primeira leitura).

Além do que foi citado acima, a questão é muito braçal e no ENADE não é possível usar calculadora, então a recomendação é tentar verificar as diferenças que você acha mais discrepantes e as mais semelhantes.

Mas antes de verificar as discrepâncias e semelhanças, é preciso saber o que você tem que fazer. Eu, particularmente, achei a questão meio “mal escrita” ou de difícil interpretação, mas o que a questão quer é o seguinte: dentro dessas medidas que já são relativas, relativize mais ainda, faça uma proporção das porcentagens.

Tomando como exemplo o caso de Recife (que é a resposta correta), o percentual de jovens sem carteira assinada, dentre os jovens que são assalariados no setor privado é: 24,3/61,2 = 0,3975 = 39,75%

Outro exemplo: Belo Horizonte e Distrito Federal são ali perto de 70% no total e 20% assalariados sem carteira assinada no setor privado (total de pessoas no setor privado é 72,9 e 69,8, e sem carteira assinada 19,7 e 20,8, respectivamente em BH e DF). Na hora da prova, com pouco tempo, provavelmente eu não faria as contas para essas duas regiões. Como aqui tenho tempo, a porcentagem é (seguindo a mesma ideia que usei para Recife, aí em cima): 27,02% e 29,80%.

Recife e Salvador também são bem próximas. Eu desconfiaria que a resposta seria uma dessas duas regiões, porque a quantidade de gente sem carteira assinada é alta (são as 2 mais altas, perdendo apenas para SP), porém a porcentagem de assalariados para essas duas regiões são as menores... logo, a resposta só poderia ser uma dessas duas.

O ranking fica assim:

Recife = 39,75%

Salvador = 38,29%

São Paulo = 35,89%

Distrito Federal = 29,80%

Belo Horizonte = 27,02% e

Porto Alegre = 25,13%


QUESTÃO DO SLIDE 7

DICA GERAL: Pense na fórmula básica de matemática financeira com um período: VF = VP*(1+i)^n. A TIR é o i dessa equação que usei como exemplo. Ou seja, é o retorno do projeto de investimento representado por aquela equação. Sempre que cair uma questão nesse sentido, pense na fórmula básica da matemática financeira e faça os ajustes necessários. Outra boa dica para questões desse tipo é sempre desenhar o fluxo de caixa da operação (após isso eu entendi o que eu teria que fazer).

Essa foi outra questão que achei mal elaborada. Mas vamos lá!

A empresa captou R$ 20.000 para um projeto que rendeu R$ 1.000 ao término do mês. Além disso, esse projeto está agora valendo R$ 21.500. Dessa forma, considerando o “caixa” que a empresa recebeu e considerando uma possível venda desse projeto, ela teria: R$ 1.000 + E$ 21.500 = R$ 22.500.

Aplicando a fórmula padrão da matemática financeira, temos o seguinte: 22.500 = 20.000*(1+i) è 22.500/20.000 – 1 = i .:. I = 12,5%. 

A resposta, então, é a letra E.


QUESTÃO DO SLIDE 8

DICA GERAL: essa é uma questão de média ponderada, pois a probabilidade de ocorrência dos eventos é diferente. Pense numa média simples: você soma os itens e divide pelo número de itens. Isso é feito porque os pesos são iguais. Quando os pesos são diferentes, a ideia é semelhante, porém apenas multiplicamos cada idem por seu peso, depois somamos todos eles para obter a média ponderada.

Essa questão pode ser resolvida calculando uma média ponderada dos lucros projetados para cada cenário, com base na sua probabilidade de ocorrência. Simples assim.

Dessa forma, o lucro operacional projetado para o próximo período será 110*0,10 + 80*0,15 + 50*0,4 + 40*0,25 + 20*0,10 = 55,00


QUESTÃO DO SLIDE 10

DICA GERAL: qual é a medida contábil que utilizamos para expressar a compensação ao dono do capital por ter integralizado capital (emprestado dinheiro à empresa sem prazo para receber de volta), de modo que a empresa pudesse seguir com suas atividades? O lucro! Onde está investido o dinheiro que a empresa tomou emprestado com o dono do capital? No ativo! Então o retorno sobre o ativo será dado pela razão entre lucro e ativo. No caso dessa questão, eles enfatizam que é lucro sobre ativo operacional.

Ponto zero, relembrando: onde estão os investimentos da empresa? No ativo! Porém a questão não quer saber o retorno de qualquer investimento, ela quer saber sobre os ativos operacionais!

Primeiro ponto: o que é a taxa de retorno sobre os investimentos?

Essa questão nada mais é do que entender o conceito do ROA e saber que contas manipular (no sentido de mexer).

Por exemplo, na letra A, o pagamento dos fornecedores não alterará (não a priori, porém mais profundamente isso tem algumas implicações que não cabem aqui, para discussão de uma questão de concurso) o lucro ou os ativos operacionais. Alternativa errada.

A aquisição do estoque anormal aumentará o ativo operacional, porém não terá contrapartida no lucro, logo piorará o ROA (pode até compensar a inflação, mas no curto prazo isso será ruim e o ROA é uma medida de curto prazo). A, B e a D não fazem nem cócegas no ROA.

A letra E é a correta. Como você está reduzindo o denominador do ROA (ativos operacionais) e mantendo o numerador constante (lucro), você fará com que o índice fique majorado. 1/10 = 10%, já 1/5 = 20%. Esse é o efeito da letra E.

Por hoje é só. Após um dia de espera no médico seguido de um dia de correria burocrática e reunião de Departamento de várias horas, mas amanhã tem mais, com os comentários de algumas questões da prova de 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...