quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Experiências em convergência contábil no setor público [ONLINE E GRATUITO - HOJE]


Haverá transmissão online, às 14h (horário de Brasília), em inglês, sem tradução simultânea.

Link da transmissão do evento: http://sites.usp.br/psag/556-2/

Obrigado a Fabrício Neves pela divulgação.

Entrevista sobre a importância da análise fundamentalista

O Infomoney está com uma série muito legal sobre grandes investidores brasileiros (Fora da Curva). Já assisti dois dos vídeos e recomendo fortemente que os interessados no mercado de capital acompanhem todos os vídeos e leiam o livro.

Neste vídeo aqui, Florian Bartunek fala em alguns momentos sobre a importância da análise fundamentalista.

Existe uma briga sem sentido entre algumas áreas, mas é impossível negar a importância que os números DAS EMPRESAS têm, para a escolha dos ativos para as carteiras.

Uma coisa que ele comenta também é a importância de "estar dentro" das empresas. Eles chegaram matricular analistas em faculdades da Kroton, para ver quão bons eles eram, por exemplo, em cobrar os inadimplentes.

Eu tenho seguido uma prática parecida com essa, com algumas das minhas empresas (tenho alertas do Google para todas elas, inclusive). Na Drogasil eu vou praticamente toda semana, em algumas lojas da minha cidade. Quando viajo, dou pelo menos uma passada nelas e sempre pergunto aos taxistas, uberistas e demais cidadãos como está a Drogasil (ou Raia) naquela cidade.

Outro ponto legal, foi sobre o porquê de os brasileiros não gostarem, aparentemente, de análise fundamentalista. Na opinião de Bartunek, isso se dá por causa das nossas taxas de juros altíssimas, que fazem com que as pessoas busquem o mercado de capitais com objetivo de lucrar mais e muito mais rápido. Porém as coisas não funcionam bem assim na prática. 

Além disso, para fazer análise fundamentalista, você precisa de tempo e de conhecer contabilidade, economia etc. Não é muito fácil. Mas é divertido!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Pesquisa - Valor Justo da Contabilidade e o Efeito dos Vieses Cognitivos

Caros leitores, peço que ajudem a um colega meu preenchendo o questionário abaixo.

Os respondentes concorrerão a um Manual de Contabilidade Societária.

Obrigado!!

Prezado (a) Participante eu me chamo Gilberto Magalhães Filho, sou aluno do Programa de Doutorado em Contabilidade da UFPB (PPGCC-UFPB).
Este questionário é referente a um estudo que tem como objetivo identificar se os critérios utilizados na determinação do nível 3 no reconhecimento de ativos e passivos a valor justo, posteriormente, influenciam as decisões de venda.

Público Alvo - Estudantes e Profissionais de Contabilidade

*******OS PARTICIPANTES DA PESQUISA ESTÃO CONCORRENDO AO SORTEIO DO LIVRO - Manual de Contabilidade Societária (2a. Ed.); Autores: Martins,Eliseu / Ernesto Rubens Gelbcke / Iudicibus,Sergio de

Segue o Link da Pesquisa:

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Debate sobre a PEC na UFPB

Convido todos a aparecerem!

Clique aqui para ver o post que o Professor Dimas Queiroz fez sobre a PEC 241.




P.s.: não sei exatamente quem está organizando o debate. Vi que foi compartilhado pelo Professor Thiago Lima, do DRI/CCSA da UFPB.

sábado, 26 de novembro de 2016

Resultado final do mestrado e doutorado em contabilidade da UFPB

Ontem foi divulgado no site do PPGCC/UFPB o resultado final do processo seletivo para as turmas de 2017.

Clique aqui para ter acesso aos resultados.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Valuations da Braskem e Natura

Ontem foi o dia de fecharmos o semestre com as últimas valuations.

Para acessar as apresentações da RaiaDrogasil e Kroton clique aqui e para acessar as apresentações da Weg e da Ambev clique aqui.

Braskem:








Natura:




quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Proposta de suspensão do pagamento de dividendos da Triunfo Participações

Triunfo | Participações e Investimentos (clique no link para acessar o edital de convocação) convocou uma Assembléia Geral Extradordinária (AGE) para deliberar sobre a suspensão dos dividendos de R$ 40 milhões, aprovados na AGO do início do ano. Isso equivalia a R$0,230430 por ação.

A empresa argumenta que houve uma "modificação substancial da situação financeira", desde a data da declaração dos dividendos.

Para compensar os acionistas, a proposta é "que tais dividendos sejam atualizados a partir do  dia  01/01/2017  e  até  a  data  de  seu  efetivo  pagamento  pela  variação  do  Certificado  de Depósito Interbancário -  CDI mais 4%  (quatro por cento) ao ano, em base  pro-rata die, a título de remuneração pela postergação do pagamento dos referidos dividendos".

CDI nais 4% ao ano é uma boa remuneração, aparentemente.

Porém será que a empresa terá condições de arcar com isso, já que não tem como pagar os dividendos este ano?

Em uma olhada rápida nos números, vemos que a empresa tem um índice de endividamento bem alto, baixíssima liquidez, além de vir de prejuízos consecutivos em todos os 3 trimestres de 2016. O price to book (preço dividido pelo valor patrimonial da ação, ou P/VPA) está bem abaixo de 1, o que poderia significar que ação está muito subavaliada.

Todavia, devemos ter cuidado com o price to book, pois podem existir problemas que ainda não estão refletidos na contabilidade, mas que os investidores já perceberam. Ou pode ser apenas problema de liquidez da ação. Ou realmente a empresa está subavaliada. Porém isso eu deixo para quem quiser analisar essa companhia para investir (ela não faz parte da minha carteira).

Mesmo assim, a reação do mercado foi muito forte a esta notícia, vejam o gap:

Fonte: Yahoo! Finanças

fff

Ora, o não pagamento de dividendos devido a dificuldades financeiras, provavelmente por decisões ruins que a gestão tomou não deveria ser um motivo para dar um desconto maior no preço das ações?

Teoricamente sim!

Contudo, a notícia parece ter sido boa para o mercado porque essa possível suspensão dos dividendos reduz o risco de default da empresa, que está rolando o pagamento das debêntures em alguns meses (veja aqui).

Apesar disso, o investimento ainda me parece bem arriscado, porque, pelo que eu entendo do pagamento de dividendos, a empresa deve pagar (Art. 202 da 6404) "como dividendo obrigatório, em cada exercício, a parcela dos lucros estabelecida no estatuto ou, se este for omisso, a importância determinada de acordo com as seguintes normas (...)" (aí eles falam da regra, quem tiver interessado pode acessar a Lei).

Mais na frente, no parágrafo 4º, a Lei diz:

§ 4º O dividendo previsto neste artigo não será obrigatório no exercício social em que os órgãos da administração informarem à assembléia-geral ordinária ser ele incompatível com a situação financeira da companhia. O conselho fiscal, se em funcionamento, deverá dar parecer sobre essa informação e, na companhia aberta, seus administradores encaminharão à Comissão de Valores Mobiliários, dentro de 5 (cinco) dias da realização da assembléia-geral, exposição justificativa da informação transmitida à assembléia.

A explicação da companhia está no link que postei lá em cima, porém ainda não vi o parecer do Conselho Fiscal.

Dessa forma, há o possível risco legal da operação e o risco de os acionistas não aceitarem a proposta (apesar da boa remuneração que receberão em cima dos dividendos - CDI mais 4% de spread pelo risco).

Estou curioso para saber o que acontecerá nos próximos capítulos.

Para mais posts sobre dividendos, clique aqui.