sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Como preparar meus slides para apresentação

Uma ex-aluna minha teve seu artigo aprovado no I Seminário de Ciências Contábeis e Atuariais da UFPB e me confessou, envergonhada, que não sabia como fazer a apresentação do seu artigo.

A primeira dica que dou é: não se sintam envergonhados. Tem que perguntar mesmo e, se me perguntar, você corre o risco (um risco bom, é claro) de ter a resposta de sua pergunta divulgada aqui no blog (sem a divulgação do nome). Olha que bom: você terá uma resposta e ainda poderá ajudar outras pessoas que possam ter a mesma dúvida.

Vamos às dicas específicas:
  1. Se você é um bom aluno, você já deve ter feito ótimas apresentações de seminários em sala de aula para a sua turma. A apresentação do artigo não é muito diferente. Você vai lá na frente falar para algumas pessoas ouvirem, depois vai ouvir o que elas tem a te sugerir para melhorar seu artigo. Não fique preocupado, você já fez isso antes!
  2. Quando você vai apresentar um artigo (diferente de uma palestra ou um seminário em sala de aula), você vai mais para ouvir do que para falar. Pode parecer meio estranho, mas você quer, na verdade, ouvir sugestões para melhorar seu trabalho para poder publicar em uma boa revista. Então tenha cuidado com o tempo da apresentação. Não exceda o limite estipulado pela organização do evento ou coordenador da sessão;
  3. Sobre o tempo, uma regra que eu costumo usar é "2/3 minutos para cada slide". Meus artigos são essencialmente empíricos, então a maioria deles eu passo bem rápido e falo um pouco mais apenas nos resultados. Sendo assim, essa média de 2/3 minutos tem dado certo. Exemplificando: para 20 minutos de apresentação eu faço 10 slides, ou um pouquinho mais - porém é preciso fazer uma análise "qualitativa", pois muitos slides você não gasta nem 1 minuto (a exemplo do objetivo da pesquisa);
  4. Fique atento às regras de apresentação do evento. Além do tempo de apresentação, geralmente eles fornecem um slide padrão, com a logo do evento. Use-o, não te fará mal. O SECICAT, por exemplo, usará esse daqui.
  5. Como eu disse anteriormente, o objetivo da participação em congressos é pegar sugestões para melhorar seu trabalho, então foque no que tem de novo... que são os seus resultados. Não perca tempo falando da teoria que você usou, pois ela já deve ser bem conhecida (a menos que seja uma teoria nova, que poucos conheçam, ou que você esteja sugerindo uma nova teoria com esse artigo).
  6. Geralmente eu dou uma visão geral do artigo no primeiro slide (ou até mesmo no slide do título) e já passo direto para o objetivo da pesquisa. Nisso devo gastar uns 3, 4 ou 5 minutos no máximo (5 se eu estiver disposto a falar, mas geralmente fica lá pelos 3 minutos mesmo);
  7. Eu simplesmente leio o objetivo da pesquisa, após uma breve contextualização do tema!
  8. Após ler o objetivo eu vou explicar a metodologia. Perceba que eu não falei que coloco um slide falando sobre o referencial teórico. Em uma das apresentações que coloquei abaixo tem alguns slides sobre o referencial teórico. Aquela apresentação foi feita por um coautor que apresenta em um estilo diferente do meu (vocês vão perceber que os slides dele são até mais bonitinhos...);
  9. Os slides da metodologia são os mais importantes, porque se a audiência não entender a sua metodologia, possivelmente não entenderão seus resultados e, consequentemente, não poderão contribuir com comentários sobre o seu artigo. Planeje bem a apresentação dessa parte;
  10. Foque bem também nos resultados, porque a sua contribuição será representada por eles;
  11. Geralmente você chega nas considerações finais com o tempo estourando, então não se empolgue muito com essa parte, a não ser que você tenha poucos resultados para apresentar. Se o tempo estiver acabando, foque em algum comentário mais importante;
  12. Desconheço uma norma da ABNT para apresentações, então não se preocupe muito com a forma. A forma será definida pelo seu estilo. Eu também não costumo colocar as referências em meus slides, pois elas estão no meu artigo completo. Quem quiser vê-las, vá lá no artigo que encontrará;
  13. Às vezes você terá o azar (ou sorte, porque eles são engraçados!) de ter um "Louco de Palestra" em sua sessão. Não se preocupe, deixe ele falar. Se não fizer nenhum sentido o que ele está falando, simplesmente deixe-o jogar para fora todo o seu sentimento, finja estar anotando o que ele diz (para aumentar a qualidade do teatro, você pode até anotar algumas coisas como "isso que ele falou não faz sentido" ou algo do tipo) e balance a cabeça positivamente, para ele pensar que você está concordando e parar de falar logo;
  14. Minha experiência com um Louco: eu já tive, uma única vez, um Louco desses em uma sessão minha, ele falou algumas coisas com sentido e muitas sem sentido. A maior coisa sem sentido foi dita por ele, porque eu disse que eu estava desconfiando de uma coisa que eu ainda não havia testado, aí ele disse: bicho, quando o artigo não estiver pronto, não manda para o congresso. Eu retruquei: bicho, o congresso serve justamente para discutir ideias, se o meu artigo estivesse pronto/finalizado, eu não enviaria a um congresso, enviaria a uma revista. Meu coautor também retrucou. Após isso ele disse que tinha ir que embora para pegar um voo... e vivemos felizes para sempre. Os Loucos também são comuns em bancas de monografias, porque eles geralmente não tem artigos para participar de congressos, então só resta dar seu show em monografias de alunos de graduação;
  15. Leve papel e caneta para anotar as sugestões. Isso é importante para o seu artigo e é meio desrespeitoso não anotar as coisas que as pessoas estão dizendo para te ajudar a melhorar seu trabalho; e
  16. Veja alguns exemplos de apresentações recentes que eu fiz na minha conta no SlideShare. No meu SlideShare ainda não tem muitas apresentações de artigos meus (eu não costumava divulgá-las), pois usava a conta para materiais das minhas aulas, mas tem de alguns alunos que apresentaram em seminários da minha turma de Finanças I. De meus artigos, especificamente, tenho: 1º artigo meu usando o modelo de Ohlson e a PIN, comparação de indicadores de desempenho e uma análise sobre o estilo da auditoria e a qualidade da informação contábil (essa foi uma apresentação um pouco maior).

É isso aí, se tiverem mais dúvidas basta me enviar por email, nos comentários daqui da postagem ou no nosso Facebook.

4 comentários:

  1. Mais uma vez, o blog se apresenta com um excelente material. Obrigado professor!

    ResponderExcluir
  2. Bacana, vai na linha das prescrições do Cochrane (https://faculty.chicagobooth.edu/john.cochrane/research/papers/phd_paper_writing.pdf)

    ResponderExcluir
  3. Em algum lugar aqui no blog tem um uma apresentação que eu fiz para uns alunos da pós graduação sobre como pensar na ideia e finalizar o trabalho. Uma parte da apresentação foi baseada nesse artigo de Cochrane!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...