quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Carreira na Contabilidade: Iniciação científica

Começamos hoje uma nova série sobre oportunidades de carreira na contabilidade. Na verdade, algumas das postagens servirão também para outras áreas.

Essa série de postagens será escrita (diferente dos outros posts do blog que são escritos por mim, Vinícius, ou Augusto) por diversas pessoas. Quero mostrar uma visão o mais geral possível. As postagens ocorrerão duas vezes na semana (quartas e sextas). Inicialmente, estou planejando 6 postagens. Dependendo do interesse dos leitores em participar, poderemos incluir mais algumas.

Hoje traremos o exemplo de um aluno de iniciação científica (IC). Inicio com a IC pois para quem quer ser um bom profissional, a pesquisa nunca deverá parar.

Marcelo Paulo é bacharelando em Ciências Contábeis pela UFPB, foi PIBIC do Professor Aldo Callado e trabalhou comigo em um artigo para o congresso USP deste ano. Atualmente Marcelo é meu orientando e estamos trabalhando em um outro artigo nessa mesma área de assimetria informacional e internet. Além disso tudo, ele também mantém um blog, o Métodos Contábeis.



Segue o texto escrito por Marcelo contando sobre a sua experiência na IC:


Minha experiência com iniciação científica foi bastante gratificante e enriquecedora para a minha vida acadêmica e profissional. Meu interesse em participar de um projeto de iniciação científica se deu pelo fato de querer está presente em uma pesquisa, onde isto iria me proporcionar a vivência de participar de todas as etapas desta e também pelo fato do meu interesse em ter uma carreira acadêmica, tendo a intenção de realizar futuramente mestrado, doutorado e em participar de grupos de pesquisa.

Em relação ao projeto, o meu orientador me incentivou bastante, desde a minha indicação para participar e durante a realização do mesmo, onde ele buscou me influenciar a produzir artigos científicos não apenas voltadas para o projeto de pesquisa, sempre disposto a sanar todas as dúvidas que apareceram durante a vigência do projeto e aquelas dúvidas que existiam a respeito da pesquisa científica antes da participação do PIBIC também foram respondidas ao longo do projeto.

Ao meu ver, a iniciação científica tem como maior objetivo o que falei anteriormente em meu texto, incluir o estudante em todas as etapas da pesquisa, fazendo assim com que o mesmo compreenda cada etapa a ser desenvolvida em uma pesquisa científica e fornecendo conhecimento necessário para que possa a vir realizar futuras pesquisas e, principalmente, influenciando o mesmo para a realização destas. 

Aconselho a todos os estudantes, principalmente a aqueles que tem interesse em seguir na vida acadêmica após a graduação, participar destes projetos, seja PIBIC, PIVIC, PROBEX, pois esta experiência acrescenta muito conhecimento para quem participa.
 
Sexta-feira traremos a experiência de uma ex-bolsista de um programa de extensão. Outro ponto fundamental para que o estudante possa desenvolver algumas habilidades necessárias à sua vivência profissional.

Quem tiver interesse em participar desta nova série, pode entrar em contato comigo por email e sugerir algum tema no qual você tenha interesse em compartilhar sua experiência conosco. Aguardo contato!

Email: luizfelipe@ccsa.ufpb.br

4 comentários:

  1. Eu também fui PIBICanda. Meio que tropecei no negócio... Na época o que mais me atraiu foi a bolsa porque eu nem imaginava o que era pesquisa acadêmica. Mas olha que atraente: enquanto alguns dos meus amigos pagavam mensalidades universitárias, eu recebia para estudar. Que coisa!
    Sorte mesmo foi ter tido o mesmo orientador que um bom amigo, porque a gente foi apanhando juntos (sofrer bem acompanhado é mais divertido) até aprendermos o que era a tal metodologia científica e como mexer nos programas assustadores.
    Eu já sonhava em fazer mestrado, mas aquilo teve mais impacto no meu currículo do que eu imaginava. Deu-me um diferencial em um processo científico que me ajudou a trabalhar nas Nações Unidas, outro sonho. Acho que ninguém que entra na iniciação sabe o quão grandioso é tudo aquilo.
    Estou escrevendo um mini depoimento porque, né... o Felipe colocou o orientando dele para depor ;) e aí pode rolar uma desconfiança. Rsrsrsrs Mas o Marcelo tem razão. A iniciação científica te ensina a estudar, te faz crescer, te ajuda a aprender a conversar com os professores salve-salve (porque orientador de PIBIC é só professor salve-salve... e no início eu tinha medo – genuíno – de conversar com eles). Isso tudo além dos benefícios óbvios como o de te colocar no caminho de um mestrado e doutorado com mais facilidade (não só pelo currículo, mas também por você ter aprendido sobre a academia).
    Tá. Eu confesso. Eu ainda tenho dificuldade em falar com salve-salve. Eu estava tão entusiasmada em conversar com o Nelson Carvalho! Mas quando ele me perguntou o tema da minha pesquisa... quem disse que eu me lembrava!? ;) Shame on me. Branco total. Mas um dia... um dia eu pego o jeito! o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pow, Isabel. Isso é quase outra postagem. Obrigado pelo depoimento!

      Excluir
  2. Parabéns pelo mestrado!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! \o/ \o/ \o/

    Felipe... eu nem falo muito. o.O Sabe como é né... ;)

    Parabéns pros dois heim. \o/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isabel, o segredo para passar no mestrado é postar aqui no blog! kkk

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...